Quinta, 18 de Julho de 2024
20°

Tempo limpo

Redentora, RS

Especiais Decisão Judicial

Justiça do RS proíbe Cobasi de vender animais de qualquer espécie em lojas de shoppings centers no Brasil

11/07/2024 às 08h27
Por: Depto de Jornalismo . Fonte: Gaúcha ZH
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Uma decisão da juíza Patrícia Antunes Laydner, da 20ª Vara Cível e de Ações Especiais da Fazenda Pública de Porto Alegre, determinou que a Cobasi está proibida de comercializar animais de qualquer espécie em lojas situadas em shoppings centers. A determinação vale para todo o território nacional, sob pena de multa diária fixada em R$ 1 mil por descumprimento. Os animais que se encontram em lojas da rede situadas nesses locais deverão ser transferidos no prazo máximo de cinco dias.

A decisão é de segunda-feira (8) e decorre de Ação Civil Pública movida pela Associação Instituto Amepatas, que fez o pedido em tutela de urgência. A autora pontuou que a ação visa à responsabilização da ré por danos ambientais originados da exposição dos animais ao sofrimento, no desenvolvimento da atividade comercial. Na ação foi citado o episódio ocorrido em 17 de maio deste ano na unidade da Cobasi no Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre, onde animais morreram durante a enchente. Para a autora, o fato seria configurado como omissão de socorro.

Em sua defesa no processo, a Cobasi alegou ofensa às regras de livre exercício da atividade econômica, livre concorrência e o risco de criação de estado exceção não estabelecido em lei para punir antecipadamente a ré com uma pena sem previsão legal e sem que haja qualquer elemento de prova que permita a sua aplicação. Argumentou ainda que não há registro de maus-tratos, crueldade ou desídia nos cuidados dos animais sob a tutela da empresa ao longo dos quase 40 anos de atuação.

Procurada pela reportagem, a assessoria de comunicação da Cobasi informou que a empresa não havia sido notificada sobre a decisão.

Na decisão, a magistrada destaca que a empresa está autorizada a realizar a comercialização de animais em lojas que não estejam em shoppings centers, podendo também esta liberação ser revista, "caso a empresa venha a descumprir a obrigação assumida atinente à elaboração de plano de contingência, priorizando o resgaste dos animais", sentenciou. A magistrada ressaltou ainda que todas as lojas da empresa com autorização para a comercialização de animais devem manter o médico veterinário responsável para atendimento a todas as exigências legais.

"A sociedade atribui um valor crescente aos animais, reconhecendo-os como seres sensíveis que sofrem e merecem proteção. Isso é evidenciado pelos esforços realizados durante as recentes enchentes no Rio Grande do Sul, em que foram empreendidas diversas ações de salvamento dos animais vítimas da tragédia. Tal mobilização demonstra uma conscientização coletiva sobre a importância de cuidar e proteger os animais, reforçando o entendimento de que eles possuem direito à vida e ao bem-estar, refletindo um avanço significativo na ética e nas práticas de proteção animal", destacou Patrícia.

Segundo a magistrada, a restrição à comercialização em shoppings está vinculada às decisões tomadas pelas administrações dos locais. "Há alto risco de demora e multiplicidades de entraves na evacuação desse tipo de prédio comercial em ocasiões catastróficas. A própria demandada já reiterou que no episódio da inundação, se viu impossibilitada de resgatar os animais da unidade Cobasi Shopping Praia de Belas, diante da proibição, por parte da administração do prédio, de ingresso nas dependências do shopping. Registro que a sorte dos animais comercializados nas lojas não pode ficar à mercê de regras estabelecidas por terceiros", considerou a juíza.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias