Quinta, 18 de Julho de 2024
20°

Tempo limpo

Redentora, RS

Geral Santa Catarina

Homem encontra cobra jararaca dentro de gaveta de ferramentas em oficina em SC

09/07/2024 às 15h39
Por: Depto de Jornalismo . Fonte: NSC Total
Compartilhe:
Cobra venenosa foi encontrada junto com ferramentas (Foto: Christian Raboch, Instagram, Reprodução)
Cobra venenosa foi encontrada junto com ferramentas (Foto: Christian Raboch, Instagram, Reprodução)

Imagine abrir uma gaveta e encontrar uma jararaca, cobra entre as mais venenosas do Brasil. Isso aconteceu com um mecânico de Jaraguá do Sul. Ele encontrou a serpente enrolada em uma gaveta dentro da oficina. Sem ferir o animal, o trabalhador chamou a Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (Fujama) para que fizesse o resgate.

O caso veio a público na segunda-feira, 8, com a publicação nas redes sociais do biólogo Christian Raboch. Ele foi até o local para fazer a retirada da cobra em segurança. No vídeo publicado, o especialista contou que o homem pintava um carro quando mexeu na caixa de ferramentas e encontrou a serpente. 

— Ele se deparou com um bicho um pouco diferente e por pouco quase colocou a mão nela — contou.

Christian também explicou que a casa onde fica a oficina é murada e o cômodo fechado. No momento em que ele usou a tinta, a serpente saiu do motor e se escondeu. Após ser chamado, o biólogo fez o resgate e a soltura da jararaca em um local seguro.

Mais sobre a cobra da espécie jararaca

De acordo com a Fiocruz, as serpentes da espécie da jararaca podem medir cerca de 1,20 metro. Pode se alimentar de ratos, pequenos roedores, rãs, sapos e lagartos. 

Segundo o Ministério da Saúde, o grupo que compõe a espécie das jararacas é o maior responsável por causar acidentes com serpentes no Brasil. Das picadas registradas no país em 2022, 69,3% eram dessa espécie.

Entretanto, a espécie é muito importante para o ecossistema e até mesmo para a medicina. Além de fazer o controle de pragas, se alimentando de outros animais, a partir da peçonha da jararaca é possível extrair compostos utilizados na fabricação de medicamentos que tratam doenças cardíacas e circulatórias, aponta publicação do Governo Federal.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias