RD Online
UNOPAR VESTIBULAR
Anúncio Rádio RD Online
Cotricampo
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Lemarco
Agroredenção
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Mânica Contabilidade
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
Cervejaria da Praça
UNOPAR INFE
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
JP Celulares Redentora
Clean Lar
Physical Life Stúdio de Musculação
Via Tec telecom
Santos Monitoramento
RD ANÚNCIO G
Casa Nova de Redentora
C-TEC REDENTORA
Banner Site

Caso Daniele: laudo aponta asfixia como causa da morte e não revela outros ferimentos

15/09/2021 08h55
Por: Depto de Jornalismo
Fonte: Rádio Uirapuru
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Foi concluído ontem (14) o inquérito policial sobre o assassinato da jovem Daniele Dos Santos Camargo, 23 anos, de Serafina Correa-RS. Ela sumiu no dia 4 de agosto e foi encontrada morta na tarde de 26 de agosto, após o suspeito e ex-namorado da vítima confessar o crime e apontar o local onde enterrou o corpo.

Anderson Alves Mingola, 40 anos, ex-namorado de Daniele, relatou em depoimento, que a jovem embarcou em seu carro para conversarem e ela foi levada até o Morro do Cristo, um local alto que possui uma réplica do Cristo Redentor e que, naquele horário do dia normalmente não tem muitas pessoas. Lá houve um desentendimento com a jovem e ela foi estrangulada com um fio de luz, ainda dentro do carro. Depois ele relatou ter colocado o corpo no porta malas do carro e descartado ele em uma área de mata, no interior.

Em um primeiro momento, ainda no dia 27, foi informado que o porta malas do carro tinha vestígios de sangue, depois sendo confirmado como da vítima. Surgiram então dúvidas sobre como Daniele foi morta.

O laudo pericial revelado na tarde de ontem pelo delegado Tiago Lopes de Albuquerque, juntamente com os agentes das Delegacias de Polícia Civil (DPs), de Serafina Corrêa e Guaporé, apontou a causa da morte de Daniele como asfixia pelo fio de luz. Sobre a possibilidade de outro ferimento que possa ter causado o sangramento, devido ao estágio inicial de decomposição, não foi possível constatar nada além.

Com o inquérito concluído, Anderson Alves Mingola, que está preso desde o final de agosto, foi indicado agora por homicídio triplamente qualificado, feminicídio, motivação torpe e asfixia, além da ocultação de cadáver.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.