RD Online
Mânica Contabilidade
Clean Lar
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
UNOPAR INFE
Casa Nova de Redentora
Agroredenção
UNOPAR VESTIBULAR
Anúncio Rádio RD Online
JP Celulares Redentora
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Banner Site
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Via Tec telecom
RD ANÚNCIO G
Cotricampo
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Physical Life Stúdio de Musculação
C-TEC REDENTORA
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Cervejaria da Praça
Lemarco
Santos Monitoramento
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
PREVISÃO DO TEMPO

Previsão do Tempo; O que esperar do clima em agosto - RD Foco

Terceiro mês do inverno climático voltará a ter dias de muito frio e possibilidade de a neve voltar a aparecer não pode ser descartada

01/08/2021 14h37
Por: Depto de Jornalismo
Fonte: MetSul
Foto: RD Foco
Foto: RD Foco

O que esperar do clima em agosto? O oitavo mês do ano é o terceiro e último do trimestre do inverno climático, a despeito da estação fria terminar pelo critério astronômico apenas na segunda metade de setembro. O mês, assim, é o que costuma ter temperatura média mais alta no trimestre climatológico de inverno, sendo menos frio nas normais históricas que junho e julho.

Em Porto Alegre, pela climatologia histórica, considerando a série 1961-1990, agosto tem temperatura média de 15,3ºC contra 14,5ºC de julho e 14,3ºC de junho. A média mínima é de 11,5ºC, superior a de 10,7ºC de junho e julho. Por sua vez, a média das máximas é de  20,3ºC, acima das de junho (19,2ºC) e julho (19,6ºC). A precipitação média mensal na capital gaúcha é de 140,0 mm, a mais alta entre todos os meses do ano na capital gaúcha.

Agosto faz jus à fama do “cachorro louco” também no clima. Se na maioria dos meses do ano é comum alternâncias de períodos quentes e frios por estar o Rio Grande do Sul numa zona de “fronteira climática”, em agosto estas variações são ainda mais radicais. Já se viu muitas vezes o Estado sair de um dia com mais de 30ºC para frio intenso e neve só com 24h ou 36h de intervalo.

É um mês que tem um aumento substancial dos dias de temperatura amena ou elevada na comparação com os dois demais meses do inverno, junho e julho, e ainda registra um aumento na frequência de temporais, especialmente de granizo. Ainda, há precedentes de ciclones intensos e de episódios graves de tempo severo, como o que trouxe o tornado em Muitos Capões no final de agosto de 2005.

Esta é a climatologia histórica, mas o que se espera para 2021?

O mês de agosto neste ano pode ser repartido em dois momentos. A primeira e a segunda quinzenas do mês terão padrões diferentes na temperatura e principalmente na chuva. Na chuva, o mês terá uma grande variabilidade de volumes de uma região para outra, mas a tendência é de que os mais altos volumes se concentrem sobre a Metade Norte gaúcha, no caso do Rio Grande do Sul.

No geral, no Centro-Sul do Brasil, a precipitação deve ficar abaixo da média no mês. A maior parte da primeira metade de agosto será marcada pelo predomínio do tempo firme com muitos dias de sol, nevoeiro e neblina. Em muitos locais do Sul do Brasil não deverá chover nos primeiros dez dias do mês.

A tendência é que a chuva comece a retornar entre a segunda e a terceira semana do mês com uma condição mais favorável para a chuva na segunda quinzena de agosto, contudo o aumento da precipitação não deve ser suficiente para evitar que agosto finalize com os índices de chuva abaixo da média na maioria das áreas do Centro-Sul do Brasil. Por conta da atmosfera mais instável na segunda quinzena, será o período com aumento de risco de temporais.

No tocante à temperatura, agosto ainda começa com noites frias e temperatura abaixo da média como consequência da forte incursão polar do final de julho, entretanto as marcas nos termômetros estarão em elevação gradual e as tardes passam a amenas e agradáveis enquanto as madrugadas seguem frias, a despeito de não tão geladas como no fim do mês de julho.

Com a ausência de chuva e a atmosfera aquecendo a cada dia, a tendência é que o final da primeira semana e o começo da segunda semana do mês sejam mais quentes que o normal do mês, inclusive com tardes de calor em que a temperatura deve passar dos 30ºC.

Na sequência, a expectativa é que o Sul do Brasil volte a ser alcançado por massas de ar frio que serão intercaladas com alguns dias de marcas mais amenas ou elevadas, mas que não devem gerar longas sequências de dias de temperatura acima da média.

O que chama a atenção da MetSul é que vem se observando um ciclo de 30 dias entre o ingresso de ar polar de grande intensidade. Houve uma intensa onda de frio no fim de junho e outra de enorme intensidade no final de julho.

Mantendo-se o ciclo, e este é um ponto em aberto, poderia haver uma incursão polar forte a muito forte na última semana de agosto. O modelo europeu não sinaliza tal tendência de ar gelado no final de agosto, mas o modelo norte-americano CFS aponta uma massa de ar polar de grande intensidade na última semana do mês.

Agosto, pelos padrões históricos, costuma ter eventos de neve de maior intensidade que o mês de julho. Porto Alegre, por exemplo, teve seu histórico evento de neve no dia 24 de agosto de 1984.

Com o Rio Grande do Sul recém saído de um evento de neve histórico, a possibilidade de voltar a nevar neste mês em um evento frio não pode ser descartado, em especial num ano com alta frequência de massas de ar polar de grande potência.

Ocorre que previsão de neve somente é possível em curto prazo em Meteorologia, mas é possível se antecipar padrões mais ou menos favoráveis ao fenômeno com semanas de antecedência como base no comportamento da Oscilação de Madden-Julian – influencia na formacao de ciclones – e nas projeções de anomalia de temperatura de modelagem.

Por MetSul

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.