RD Online
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Casa Nova de Redentora
UNOPAR INFE
Zé Automóveis Multimarcas
JP Celulares Redentora
Anúncio Rádio RD Online
Via Tec telecom
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Cervejaria da Praça
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Barbearia e Lancheria Stein
Lemarco
RD ANÚNCIO G
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Banner Site
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Auto Posto Gemelli
Santos Monitoramento
C-TEC REDENTORA
UNOPAR VESTIBULAR
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Cotricampo
EXPORTAÇÃO

Falta de contêineres causa prejuízos a empresas que exportam carne de frango

O principal fator para a falta de contêineres é a pandemia. Navios estão atrasando devido a restrições em alguns países e, como a demanda por proteína é grande, subiu também a procura pelo transporte em contêiner.

10/06/2021 08h20
Por: Depto de Jornalismo
Fonte: Rádio Uirapuru
Foto: Reprodução/Internet
Foto: Reprodução/Internet

A falta de contêineres está reduzindo as exportações de carne de frango e outros produtos da cadeia produtiva, como ovos e derivados. A alegação é da Organização Avícola do Rio Grande do Sul (OARS). Segundo a entidade, as indústrias do setor estão escoando, em média, 40% do fluxo normal de exportações.

Conforme o presidente da Associação Gaúcha de Avicultura (ASGAV), José Eduardo dos Santos, são situações pontuais de indústrias que estão sendo afetadas, principalmente as pequenas e média. De acordo com o presidente, empresas maiores tem um planejamento melhor e uma logística mais estruturada.

O presidente explica que o principal fator para a falta de contêineres é a pandemia. Navios estão atrasando devido a restrições em alguns países e, como a demanda por proteína é grande, subiu também a procura pelo transporte em contêiner.

José Eduardo explica que o problema está causando prejuízo para as empresas. Conforme ele, as taxas de exportação e armazenamento, fretes e outros são cobrados, no entanto o produto não consegue ser embarcado. Esse fator impacta na produção, fazendo com que empresas tenham o frango pronto para a exportação, mas sem contêiner para carregar. Além disso, o setor registra aumento nas exportações, fazendo a demanda pelo modo de transporte subir ainda mais.

O presidente da ASGAV acredita que a situação possa piorar em junho e julho se a falta de transporte continuar e esse impasse não se resolva. O dirigente afirma que esse fator não deve influenciar nos preços do mercado brasileiro. Isso porque o frango que é preparado para a exportação é diferente, tem outra embalagem e outra forma de abate. Portanto essa carne não é comercializada dentro do mercado interno.

De acordo com José Eduardo, o que deve acontecer nos próximos meses, se esse cenário persistir, é a queda na produção. As indústrias vão diminuir o abate para conseguir embarcar o produto para fora conforme a disponibilidade de contêineres. O presidente alerta que com a produção menor, o setor pode registra demissões, prejuízos e impactar também o produtor rural.

 

Por Mateus Pirolli/Rádio Uirapuru

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.