RD Online
UNOPAR INFE
Lemarco
C-TEC REDENTORA
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
JP Celulares Redentora
Banner Site
Casa Nova de Redentora
Santos Monitoramento
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Auto Posto Gemelli
Via Tec telecom
Anúncio Rádio RD Online
Cotricampo
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Cervejaria da Praça
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Zé Automóveis Multimarcas
RD ANÚNCIO G
Barbearia e Lancheria Stein
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
UNOPAR VESTIBULAR

Anvisa recomenda suspender aplicação de vacina AstraZeneca/Oxford em gestantes

11/05/2021 09h53
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: AE
Ministério da Saúde investiga caso de grávida que desenvolveu trombose dias após vacinação | Foto: Lucas Lacaz Ruiz/Estadão Conteúdo
Ministério da Saúde investiga caso de grávida que desenvolveu trombose dias após vacinação | Foto: Lucas Lacaz Ruiz/Estadão Conteúdo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu nota no final da noite de segunda-feira recomendando a suspensão imediata do uso da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford em gestantes com comorbidades. No Brasil, o imunizante é produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz).  De acordo com o texto, a decisão é fundamentada no "monitoramento constante de eventos adversos possivelmente causados pelas vacinas em uso no País." 

"A orientação da Anvisa é que a indicação da bula da vacina AstraZeneca seja seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI)", diz a nota enviada à imprensa. A atual bula do imunizante não recomenda a aplicação em grávidas sem orientação médica individual. O uso "off label" de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, fica restrito aos casos em que haja recomendação médica, mediante avaliação individual, por um profissional de saúde que pondere os riscos e benefícios para a paciente.

O Ministério da Saúde investiga o caso de uma grávida que desenvolveu trombose dias após ter recebido uma dose da AstraZeneca no Rio de Janeiro. A pasta confirmou a morte da gestante ao jornal “Folha de S. Paulo” na segunda-feira. A nota da Anvisa, no entanto, não cita o ocorrido como justificativa para a suspensão do uso da vacina. 

Cerca de um quarto das doses aplicadas no Brasil até agora são da AstraZeneca. Gestantes e puérperas (aquelas que deram à luz há até 45 dias) foram incluídas em abril no grupo prioritário pelo Ministério da Saúde. Até o meio de abril, o Brasil havia registrado 979 mortes de grávidas ou mulheres que acabaram de dar à luz diagnosticadas com a covid-19.

Naquele mês, o ministério recomendou às brasileiras que adiantassem a gravidez por causa do agravamento da pandemia. Especialistas apontam que grande parte das mortes maternas pelo novo coronavírus é decorrente de falhas na assistência a grávidas e mulheres que acabaram de dar à luz.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.