RD Online
Decorações, Festas e Eventos Arco-Íris
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
C-TEC REDENTORA
Barbearia e Lancheria Stein
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Lemarco
RD ANÚNCIO G
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Via Tec telecom
Banner Site
Cotricampo
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
Anúncio Rádio RD Online
JP Celulares Redentora
Cervejaria da Praça
Zé Automóveis Multimarcas
Santos Monitoramento
Auto Posto Gemelli
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
UNOPAR VESTIBULAR
Casa Nova de Redentora
ASM Oficina de Música
UNOPAR INFE
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Jucerlei Dutra Advocacia

MP e Polícia Civil fazem operação contra fraude em licitações no RS

04/05/2021 16h11
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: G1 RS
Operação ocorre em várias cidades do estado — Foto: Divulgação/Polícia Civil
Operação ocorre em várias cidades do estado — Foto: Divulgação/Polícia Civil

O Ministério Público e a Polícia Civil do Rio Grande do Sul realizam uma operação, nesta terça-feira (4), contra crimes licitatórios, crimes contra a administração pública, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Até às 9h, quatro pessoas haviam sido presas.

A ação é contra a um grupo econômico, que atua na prestação de serviços de vigilância patrimonial privada, limpeza, portaria e similares.

Estão sendo cumpridas 230 ordens judiciais em 10 cidades do RS (Porto Alegre, Região Metropolitana e Litoral), entre prisões preventivas, buscas e apreensões, afastamentos de sigilos bancário, fiscal e econômico, medidas cautelares de congelamento patrimonial consistentes em bloqueios de contas bancárias e indisponibilidade de veículos.

Segundo a polícia, o esquema criminoso fazia ajuste prévio de preços em licitações e as empresas integrantes da organização concorriam entre si nas disputas, fraudando o caráter competitivo do processo. A fraude também alcançava a execução dos contratos sendo que, em várias situações, contava com a participação de servidores públicos.

Estima-se que o grupo tenha gerado prejuízo em tributos em cerca de R$ 150 milhões, além de violações de direitos trabalhistas das pessoas contratadas para realização dos serviços. De acordo com as investigações, cerca de 70 pessoas físicas e 50 pessoas jurídicas integram a organização criminosa.

Segundo o Ministério Público, com o passar dos anos, a organização foi aperfeiçoando a forma de agir e incrementando as técnicas fraudulentas, como a aquisição e criação de empresas de fachada, a cooptação de "sócios laranjas" e a corrupção de agentes públicos.

Estima-se que a organização tenha obtido dos cofres públicos cerca de R$ 1 bilhão e figure, como ré, em aproximadamente 11 mil ações judiciais, no ramo trabalhista.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.