RD Online
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Decorações, Festas e Eventos Arco-Íris
ASM Oficina de Música
C-TEC REDENTORA
Anúncio Rádio RD Online
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Cotricampo
Banner Site
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Jucerlei Dutra Advocacia
Zé Automóveis Multimarcas
Cervejaria da Praça
Santos Monitoramento
UNOPAR INFE
Lemarco
Via Tec telecom
RD ANÚNCIO G
Barbearia e Lancheria Stein
UNOPAR VESTIBULAR
JP Celulares Redentora
Casa Nova de Redentora
Auto Posto Gemelli
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi

Dr. Jairinho e mãe de Henry Borel são indiciados por tortura e homicídio

04/05/2021 13h59
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Gaúcha ZH
Footo: VITOR BRUGGER / AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO
Footo: VITOR BRUGGER / AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO

O médico e vereador do Rio de Janeiro Jairo Souza Santos, o Dr. Jairinho, de 43 anos, e sua namorada, a professora Monique Medeiros, de 33 anos, foram indiciados pela Polícia Civil do Rio de Janeiro pela morte de Henry Borel Medeiros, de 4 anos, em 8 de março, na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio).

O casal, que está preso temporariamente desde 8 de abril, vai responder por homicídio doloso (intencional) duplamente qualificado (por emprego de tortura e impossibilidade de defesa da vítima). Jairinho também foi acusado por dois crimes de tortura contra Henry, e Monique foi indiciada por um crime de tortura contra o próprio filho. A Polícia Civil pediu ainda à Justiça a conversão da prisão temporária, que se encerraria no próximo dia 8, em prisão preventiva, que não tem prazo para terminar.

O inquérito foi encaminhado ao promotor Marcos Kac, da 1ª Promotoria de Investigação Penal da Zona Sul e da Barra da Tijuca Ele será responsável por analisar a peça e decidir se denuncia Jairinho e Monique à juíza Elizabeth Louro , titular do 2º Tribunal do Júri do Rio.

Investigações colocaram em xeque versão de morte por queda

O inquérito foi concluído sem que Monique fosse ouvida pela segunda vez, como ela desejava. No primeiro depoimento, em 17 de março, ela disse ao delegado Henrique Damasceno, responsável pela investigação, que assistia TV em um cômodo da casa, e o filho dormia em outro, na noite de 7 de março. Quando acordou, de madrugada, e foi até o quarto encontrou o filho caído e machucado. À polícia ela cogitou a hipótese de a criança ter se ferido sozinha, ao cair da cama.

Depois de ter essa versão desmentida pela investigação da polícia, ser presa e mudar de advogado, Monique acusou o namorado de obrigá-la a mentir e pediu para prestar novo depoimento. Três pessoas - a babá de Henry, a faxineira da família e uma ex-namorada de Jairinho - foram ouvidas pela segunda vez. Para a Polícia Civil, no entanto, essas pessoas comprovaram estar sob ameaça de Jairinho ou de familiares, enquanto Monique, na avaliação da polícia, em nenhum momento demonstrou estar sendo coagida.

A mãe de Henry terá oportunidade de apresentar sua nova versão em depoimento à Justiça, quando o processo for iniciado.

A reportagem procurou ouvir as defesas de Jairinho e Monique sobre o indiciamento, mas não houve retorno até a publicação deste texto.

  • Dr. Jairinho e mãe de Henry Borel são indiciados por tortura e homicídio
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.