RD Online
Santos Monitoramento
Decorações, Festas e Eventos Arco-Íris
UNOPAR INFE
JP Celulares Redentora
Cervejaria da Praça
Casa Nova de Redentora
ASM Oficina de Música
UNOPAR VESTIBULAR
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Jucerlei Dutra Advocacia
Via Tec telecom
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Anúncio Rádio RD Online
Lemarco
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Cotricampo
C-TEC REDENTORA
Zé Automóveis Multimarcas
Barbearia e Lancheria Stein
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Auto Posto Gemelli
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
Banner Site
RD ANÚNCIO G

Mãe de trigêmeos que deu à luz com Covid-19 em fevereiro celebra alta de dois bebês enquanto aguarda recuperação do terceiro

04/05/2021 11h40
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Extra Globo
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Após 60 dias hospitalizadas em Santa Catarina, as irmãs prematuras Alice e Manuela receberam alta e puderam, enfim, ir para casa pela primeira vez em suas vidas. A novidade foi motivo de celebração para os pais, Caroline e Irno José Gotardo, moradores de Maravilha (SC). A família enfrentou um grande desafio, chamado Covid-19, no início do ano, quando a mãe, ainda grávida de trigêmeos, foi diganosticada com a doença. A cesariana foi realizada em 24 de fevereiro e, no dia seguinte, ela foi intubada, permanecendo assim por 19 dias.

Caroline disse ter conhecido seus trigêmeos quando eles estavam com 23 dias de vida, quatro dias após ter sido extubada.

— Foi na cadeira de rodas, não pude dar colo, pois eu não tinha ainda os movimentos do corpo, mesmo assim foi maravilhoso ver eles pela primeira vez e ver que estavam bem — afirmou a mãe, que chegou a passar dois dias na UTI antes de conhecer os filhos. — Ainda hoje tenho sequelas do Covid, mas estou em recuperação.

Por 53 dias, Alice e Manuela ficaram internadas em um hospital em Chapecó, e sete dias numa unidade da cidade onde moram. O irmão delas, Théo, continua internado em Chapecó, ainda sem previsão de alta, conforme contou sua mãe nesta segunda-feira, dia 3.

— Os médicos dizem que o pulmão dele foi afetado durante meu período de Covid, por isso a dificuldade dele se manter sem o oxigênio — explicou Caroline. — Ele está fazendo uso de uma bombinha e ainda não tem previsão de alta.

Enquanto a esperança agora é voltada para o menino, a família sente o alívio por ter recebido em casa as meninas, que foram cumprimentadas por seus três irmãos mais velhos, Ana Lívia, Gustavo e Giovana.

"Esperamos em pouco tempo ter nosso Théo junto pra então completar de vez nossa tão esperada família unida. Gratidão a todos que estão orando e torcendo por nós, que Deus dê a cada um o dobro de tudo que desejam e fazem por nós", disse a mãe.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.