RD Online
Zé Automóveis Multimarcas
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
C-TEC REDENTORA
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Lemarco
Banner Site
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
UNOPAR INFE
Barbearia e Lancheria Stein
Anúncio Rádio RD Online
Casa Nova de Redentora
Cervejaria da Praça
JP Celulares Redentora
Santos Monitoramento
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
Jucerlei Dutra Advocacia
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
ASM Oficina de Música
Cotricampo
UNOPAR VESTIBULAR
RD ANÚNCIO G
Via Tec telecom
Decorações, Festas e Eventos Arco-Íris
Auto Posto Gemelli

Adiada decisão sobre pedido do Estado para antecipar vacinação de professores

04/05/2021 11h33
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Gaúcha ZH
A Advocacia-Geral da União havia se manifestado contra a mudança defendida pelo Estado do Rio Grande do Sul na ordem de vacinação - Anselmo Cunha / Ag
A Advocacia-Geral da União havia se manifestado contra a mudança defendida pelo Estado do Rio Grande do Sul na ordem de vacinação - Anselmo Cunha / Ag

A decisão judicial sobre a antecipação da vacinação dos profissionais da educação do Rio Grande do Sul foi adiada. O ministro Ricardo Lewandowski, relator da Arguição de Descumprimento de Preceitos Fundamentais (ADPF) movida pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE) no Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a continuidade da tramitação do processo sem apreciação neste momento do pedido cautelar.

“Isso posto, por entender que nesta fase processual não há o que decidir, determino a continuidade da regular instrução dos autos, com a colheita da manifestação do Procurador-Geral da República, notadamente quanto ao cabimento da ação, no prazo de 5 dias”, decidiu Lewandowski.

A Advocacia-Geral da União havia se manifestado contra a mudança defendida pelo Estado do Rio Grande do Sul na ordem de vacinação que consta no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. O Ministério da Saúde, também no processo, se posicionou tecnicamente contra.

Com isso, o Governo do Estado não poderá, pelo menos por enquanto, vacinar os professores fora da ordem que consta no plano nacional de vacinação.

 — Recebemos com naturalidade a decisão, pois é praxe do STF ouvir a PGR antes de decidir o pedido de liminar — disse o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.