RD Online
Casa Nova de Redentora
RD ANÚNCIO G
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
ASM Oficina de Música
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Lemarco
JP Celulares Redentora
Cotricampo
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
Cervejaria da Praça
C-TEC REDENTORA
Decorações, Festas e Eventos Arco-Íris
Auto Posto Gemelli
Zé Automóveis Multimarcas
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Anúncio Rádio RD Online
UNOPAR INFE
Banner Site
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Santos Monitoramento
Via Tec telecom
Jucerlei Dutra Advocacia
UNOPAR VESTIBULAR
Barbearia e Lancheria Stein

IBGE prevê safra recorde de 264,9 milhões de toneladas para 2021

08/04/2021 17h42
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Agência Brasil
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas estimada para 2021 alcançou mais um recorde, devendo totalizar 264,9 milhões de toneladas, 4,2% (10,7 milhões de toneladas) acima da obtida em 2020 (254,1 milhões de toneladas).

As informações são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgado hoje (8), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A previsão para a safra de soja deve atingir mais um marco inédito, com 131,8 milhões de toneladas. Segundo o gerente da pesquisa, Carlos Barradas, a demanda aquecida e o dólar em alta têm favorecido a comercialização da soja e incentivado os produtores a aumentarem o plantio.

Conforme o IBGE, no final de março de 2021, a saca de 60 quilos do produto foi comercializada a R$ 173,3, 3,49% acima do mês anterior. Na região integrada por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia (Matopiba), quase todos os estados apresentam aumentos expressivos na produção, como o Piauí (15,6%), a Bahia (7,6%) e o Maranhão (3,8%). A exceção é o Tocantins (-6,3%).

“A colheita da soja está perto de ser concluída na maioria das unidades da federação, mas está com atraso em relação ao ano anterior, que foi causado pelo plantio tardio devido à estiagem no início da primavera. Com o retorno das chuvas, a partir de dezembro, as lavouras se recuperaram e a cultura se desenvolveu de maneira satisfatória”, disse o pesquisador, em nota.

De acordo com ele, embora atualmente o excesso de chuvas venha causando problemas em alguns estados, tanto na colheita quanto no escoamento da safra, restam poucas áreas a serem colhidas e a produção da oleaginosa deverá ficar 8,5% (10,3 milhões de toneladas) acima da de 2020.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.