RD Online
Jucerlei Dutra Advocacia
JP Celulares Redentora
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
Casa Nova de Redentora
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Auto Posto Gemelli
Decorações, Festas e Eventos Arco-Íris
C-TEC REDENTORA
UNOPAR VESTIBULAR
Cervejaria da Praça
ASM Oficina de Música
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Lemarco
RD ANÚNCIO G
Anúncio Rádio RD Online
Via Tec telecom
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Santos Monitoramento
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
UNOPAR INFE
Cotricampo
Barbearia e Lancheria Stein
Zé Automóveis Multimarcas
Banner Site
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional

Projeto de lei amplia lista de doenças rastreadas pelo teste do pezinho

08/04/2021 09h38
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Agência Senado
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O Senado irá analisar proposta que amplia o número de doenças a serem rastreadas pelo teste do pezinho, realizado por meio da coleta de gotas de sangue dos pés dos recém-nascidos. Esse projeto de lei (PL 5.043/2020), de autoria do deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT-MS) e outros oito deputados, foi aprovado nesta terça-feira (23) pela Câmara. O Senado aguarda o envio do texto.

A proposta foi aprovada na Câmara sob a forma de substitutivo apresentado pela deputada federal Marina Santos (Solidariedade-PI). De acordo com o substitutivo, o exame passará a incluir 14 grupos de doenças de forma escalonada, em cinco etapas, em prazo a ser definido pelo Ministério da Saúde.

Atualmente, o teste do pezinho feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS) visa detectar seis doenças:  

Fenilcetonúria – provoca comprometimento do desenvolvimento neuronal; 

Hipotireoidismo congênito – alteração na tireoide que pode interferir no desenvolvimento e provocar retardo mental; 

Anemia falciforme – alteração nas células vermelhas do sangue que reduz a capacidade de transportar oxigênio; 

Hiperplasia adrenal congênita – provoca deficiência hormonal levando a crescimento excessivo, puberdade precoce ou outros problemas físicos; 

Fibrose cística – provoca produção excessiva de muco, comprometendo o sistema respiratório e afetando o pâncreas; e 

Deficiência de biotinidase – provoca a incapacidade de o organismo reciclar a biotina (vitamina B7), levando a convulsões, falta de coordenação motora e atraso no desenvolvimento. 

Etapas

Na primeira etapa de implementação do projeto, está prevista, além da continuidade da detecção das atuais doenças, a ampliação do teste para a detecção de doenças relacionadas ao excesso de fenilalanina e de patologias relacionadas à hemoglobina (hemoglobinopatias), além de incluir os diagnósticos para toxoplasmose congênita. 

Na segunda etapa, seriam acrescentadas as testagens para galactosemias; aminoacidopatias; distúrbios do ciclo da ureia; e distúrbios da beta oxidação dos ácidos graxos (deficiência para transformar certos tipos de gorduras em energia). 

Para a etapa 3, seriam acrescentados os exames para doenças lisossômicas (que afetam o funcionamento celular). Na etapa 4, seriam incluídos os exames para imunodeficiências primárias (problemas genéticos no sistema imunológico). Por fim, na etapa 5, seriam acrescentados os testes para atrofia muscular espinhal (degeneração e perda de neurônios da medula da espinha e do tronco cerebral, que resulta em fraqueza muscular progressiva e atrofia).

Esclarecimentos

Durante atendimentos de pré-natal e de trabalho de parto, os profissionais de saúde deverão informar à gestante e a seus acompanhantes sobre a importância do teste do pezinho e sobre eventuais diferenças existentes entre as modalidades de teste oferecidas no SUS e na rede privada de saúde. 

Esse projeto ainda não tem data definida para votação no Senado. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.