RD Online
UNOPAR VESTIBULAR
Cervejaria da Praça
Auto Posto Gemelli
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Lemarco
Decorações, Festas e Eventos Arco-Íris
Cotricampo
C-TEC REDENTORA
UNOPAR INFE
ASM Oficina de Música
Santos Monitoramento
Farmácia Santa Inês Rede Associadas
Banner Site
Laboratório Santo Antônio Análises Clínicas de Coronel Bicaco
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Jucerlei Dutra Advocacia
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Via Tec telecom
JP Celulares Redentora
Anúncio Rádio RD Online
Zé Automóveis Multimarcas
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
RD ANÚNCIO G
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Casa Nova de Redentora
Barbearia e Lancheria Stein
RIO GRANDE DO SUL

Meteoro cruza o céu do RS; veja imagem

Corpo celeste é fragmento de asteroide potencialmente perigoso

28/02/2021 20h50
Por: Depto de Jornalismo
Fonte: Gaúcha ZH
Meteoro registrado pelo Observatório Espacial Heller & Jung, às 22h27, deste sábado (27) - Foto: Divulgação/Observatório Espacial Heller & Jung
Meteoro registrado pelo Observatório Espacial Heller & Jung, às 22h27, deste sábado (27) - Foto: Divulgação/Observatório Espacial Heller & Jung

Mais um meteoro riscou o céu noturno do Rio Grande do Sul na noite de sábado (27). O corpo celeste foi registrado por duas câmeras posicionados no sul do Estado, às 22h27min, pelo Observatório Espacial Heller & Jung.

Depois de entrar na atmosfera terrestre a uma altitude de 103 quilômetros, o meteoro foi extinto acima do RS a 72,1 quilômetros de altitude, após uma trajetória de 1,3 segundos e uma magnitude de -2.2. Segundo o professor Carlos Fernando Jung, proprietário do observatório, ele fazia parte da February Leonids, uma chuva de meteoros descoberta pela Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon) ainda em 2017. 

Esse meteoro seria um fragmento associado ao Asteroide 2008 CC6, cuja órbita cruza a trajetória da Terra a cada 518 dias. Uma vez que esses cruzamentos por nosso planeta são muito próximos, a Nasa o classifica como “potencialmente perigoso”. Com diâmetro entre 106 e 237 metros, trata-se de um asteroide de porte pequeno a médio, “quase comparável em tamanho a um ônibus escolar ou menor”, segundo Jung. 

Apenas 1,3% dos asteroides tem órbitas que cruzam com a da Terra, chamados de APO (Asteroides da Classe Apollo), mas o número corresponde a um total de 13.642 corpos celestes. A observação de meteoros como o de sábado é uma forma de compreender os riscos de impacto no planeta Terra destes e outros objetos do Espaço.

Por Gaúcha ZH

  • Meteoro cruza o céu do RS; veja imagem
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.