RD Online
Anúncio Rádio RD Online
JP Celulares Redentora
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Via Tec telecom
Casa Nova de Redentora
ZÉ AUTOMÓVEIS
UNOPAR INFE
ASM Oficina de Música
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Cotricampo
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Banner Site
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Cervejaria da Praça
Joalheria, Floricultura e Casa das Linhas Pereira
RD ANÚNCIO G
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
UNOPAR VESTIBULAR
Lancheria e Barbearia Stein
C-TEC REDENTORA
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Auto Posto Gemelli
Decorações, Festas e Eventos Arco-Íris
Lemarco
INTRIGANTE

Polícia investiga possível contágio por agulha depois de desconhecido tocar braço de criança

Vítima está sendo acompanha por médicos, mas não apresenta sinais de debilidade

19/01/2021 16h07
Por: Depto de Jornalismo
Fonte: Oeste Mais
Vídeo em que aparece criança sendo ferida é apurado pela equipe da DPCAMI de Chapecó (Foto: Polícia Civil)
Vídeo em que aparece criança sendo ferida é apurado pela equipe da DPCAMI de Chapecó (Foto: Polícia Civil)

A Polícia Civil de Chapecó está investigando um possível caso de envenenamento ou contaminação após uma ação denunciada em um vídeo que circulou nas redes sociais do município.

Nas imagens, um casal se aproxima de uma criança e ela é tocada no braço pelo homem. Depois do incidente, a menor passou mal e precisou ser levada ao hospital. O fato aconteceu no dia 1º de janeiro.

Segundo o Delegado  responsável pela investigação do caso, José Airton Stang, em entrevista ao Cidade Alerta SC, a mãe da criança assim que tomou conhecimento do caso, teria buscado junto ao estabelecimento comercial as imagens da ação. 

Lesão no braço esquerdo da criança de 10 anos foi constatada em exame pericial. Ainda segundo o delegado, a menina pode ter sido contaminada  por alguma doença infecto contagiosa.

A vítima está sendo acompanhada por médicos, não apresenta sinais de debilidade e nem efeitos colaterais dos medicamentos que estão sendo utilizados como medidas profiláticas, com a intenção de evitar um possível contágio por doenças. 

Testemunhas já foram ouvidas, mas suspeito ainda não foi identificado.

 

Por Oeste Mais

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.