RD Online
Banner Site
Cotricampo
Joalheria, Floricultura e Casa das Linhas Pereira
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
Lancheria e Barbearia Stein
Lemarco
Cervejaria da Praça
JP Celulares Redentora
Anúncio Rádio RD Online
CENTER MÓVEIS REDENTORA
UNOPAR INFE
C-TEC REDENTORA
Via Tec telecom
Auto Posto Gemelli
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
ZÉ AUTOMÓVEIS
UNOPAR VESTIBULAR
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
RD ANÚNCIO G
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Casa Nova de Redentora
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA

RS fecha 2020 com menor taxa de homicídios em 13 anos; latrocínios e feminicídios também caem

Foram 1.694 assassinatos no Estado no ano passado, 6,5% a menos do que em 2019. Dados foram apresentados pelo governador Eduardo Leite nesta quinta-feira

14/01/2021 14h18
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Gaúcha ZH
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Os 12 meses de 2020 terminaram com o menor número de homicídios no Rio Grande do Sul em 13 anos. O total de vítimas foi de 1.694 no período, 6,5% menos do que as 1.811 de 2019 — e o acumulado mais baixo desde 2007.

Confirmando reduções que vinham sendo observadas desde 2018, o resultado levou o Estado a alcançar a menor de taxa de homicídios para cada 100 mil habitantes desde 2010. O índice caiu de 15,9 em 2019, para 14,8 mortes a cada 100 mil habitantes em 2020: abaixo de 15 pela primeira vez em 11 anos.

Estes e outros indicadores foram apresentados na manhã desta quinta-feira (14) em coletiva de imprensa online pelo governador Eduardo Leite e pelo vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior.

Os dados divulgados também mostram que a redução dos assassinatos em Porto Alegre alcançou os 18,6% em 2020. Foram 262 vítimas frente a 322 em 2019. Com isso, a taxa de homicídios para cada 100 mil habitantes da Capital chegou a 17,6. É a primeira vez desde 2010 que a cidade tem índice menor do que 20.

Os indicadores revelam ainda que, em 2020, 117 municípios apresentaram alguma redução no total de vítimas de homicídios na comparação com o ano anterior. Outros 248 registraram estabilidade e 132 fecharam com alguma alta, mas em 67 desses houve um caso a mais. Além disso, 54% (269) das 497 cidades do Rio Grande do Sul não tiveram nenhum assassinato entre janeiro e dezembro.

Na avaliação de Leite, a redução nos indicadores de criminalidade reflete na qualidade de vida e no desenvolvimento do Estado:

— Se falássemos há dois anos em reduzir pela metade os homicídios em Porto Alegre, achariam que estávamos sendo ousados demais. Se falássemos em reduzir pela metade o roubo de veículos no RS, poucos talvez acreditariam. Se falássemos em reduzir em 74% os roubos a banco no nosso Estado, provavelmente, diriam que nós não estávamos trabalhando com a verdade ou com seriedade. Mas é exatamente isso que aconteceu. Um Estado com segurança é onde se deseja viver e investir, o que gera um efeito cascata positivo pela confiança.

O principal indicador de violência contra mulher — o feminicídio — também acompanhou o cenário de reduções. Ao longo de 2020, 76 vítimas do sexo feminino foram mortas por questões de gênero, 21,6% a menos do que nos 12 meses do ano anterior, quando o RS teve 97 mortes deste tipo. Trata-se do número mais baixo de vítimas desde 2014.

— Várias pessoas se manifestaram preocupadas com que o distanciamento social pudesse aumentar este tipo de crime, que é um indicador que não existe subnotificação, e observamos que não houve influência, pois tivemos uma redução — considerou Ranolfo.

O latrocínio (roubo com morte) fechou 2020 com redução de 7,5%, com 62 casos nos últimos 12 meses, contra 67 do ano anterior. É o melhor indicador deste tipo de crime desde 2002, quando os dados passaram a ser contabilizados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP).

A cúpula da segurança pública gaúcha entende que a pandemia — e o distanciamento social mais rigoroso, especialmente nos meses de abril, maio e junho — não tiveram reflexos determinantes na redução da criminalidade em 2020:

— Acompanho diariamente os homicídios no Rio Grande do Sul, recebo a cada 24 horas um extrato dos assassinatos, e três quartos dos crimes violentos e letais ainda ocorrem por disputas de organizações criminosas. Todo mundo parou, mas as organizações criminosas não pararam durante a pandemia. A redução da taxa de homicídio não tem relação com a pandemia. Talvez o distanciamento possa ter influenciado no roubo a pedestre e roubo a transporte público, naquele período que tivemos menos circulação de pessoas na rua — afirmou o vice-governador.

O desempenho do último ano não é exceção, mas acompanha uma queda sistemática que se manteve também em 2020, considera Leite. No período, houve acréscimo nos assassinatos no RS apenas em abril, mês em que presos receberam benefício da prisão domiciliar devido à pandemia, e outubro, quando o número de assassinatos disparou na Serra.

— É possível observar que as reduções começaram em 2018, se acentuaram em 2019, anos que não tínhamos a pandemia. Em 2020, foram indicadores caindo mês a mês, mesmo com retorno das atividades econômicas. Temos observado aumento de homicídios em outros Estados, que ainda estão apresentando seus balanços de 2020. Isso mostra que se fosse efeito da pandemia, seria generalizado. Se fosse mera casualidade ou por efeitos externos, o RS não estaria entre no grupo restrito de Estados que tiveram redução de homicídios — avaliou o governador.  

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.