RD Online
Casa Nova de Redentora
Auto Posto Gemelli
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
UNOPAR INFE
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Sicredi
RD ANÚNCIO G
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Cervejaria da Praça
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Joalheria, Floricultura e Casa das Linhas Pereira
Lemarco
UNOPAR VESTIBULAR
Anúncio Rádio RD Online
Via Tec telecom
Lancheria e Barbearia Stein
ZÉ AUTOMÓVEIS
C-TEC REDENTORA
Cotricampo
Banner Site
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
JP Celulares Redentora
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi

Projeto quer mudar hino rio-grandense. Veja como ficará se for aprovado

12/01/2021 10h47
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: RD Foco
Mainardi entregando projeto para a vereadora do PSOL de Porto Alegre, Laura Sito. Foto: Reprodução
Mainardi entregando projeto para a vereadora do PSOL de Porto Alegre, Laura Sito. Foto: Reprodução

O projeto que pretende mudar parte do hino rio-grandense está pronto e deve ser  protocolado na Assembleia, no começo de fevereiro, de acordo com o autor, o Deputado Luiz Fernando Mainardi. O parlamentar petista está propondo a aprovação de uma lei que altere o trecho “povo que não tem virtude, acaba por ser escravo”, considerado racista por alguns historiadores e por integrantes do movimento negro, por, segundo eles transferir a culpa pela escravidão às suas vítimas e não aos opressores.

Esse trecho do Hino do Rio Grande do Sul repercutiu nas redes sociais depois que vereadores do PSOL se recusaram a cantá-lo durante a cerimônia de posse na Câmara de Porto Alegre, em 1º de janeiro.

Mainardi está sugerindo uma nova forma: “Povo que não tem virtudes, acaba por escravizar”. Ele afirma que o tema já vinha sendo discutido internamente no seu partido, o PT.

— Inspirei-me, entretanto, na recente manifestação dos vereadores da Capital. Procurei as vereadoras Laura Sito, de Porto Alegre, e Caren Castêncio, de Bagé, para conversar e entendemos que era o momento de propor esse debate — explica o deputado. 

"Não podemos ter medo de enfrentar a nossa História e um hino não é algo imutável. Já temos muitos exemplos de reconsiderações históricas de cunho progressista no mundo inteiro", finalizou ele.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.