RD Online
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Anúncio Rádio RD Online
Banner Site
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
JP Celulares Redentora
UNOPAR INFE
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Joalheria, Floricultura e Casa das Linhas Pereira
RD ANÚNCIO G
Cervejaria da Praça
Cotricampo
Auto Posto Gemelli
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
UNOPAR VESTIBULAR
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
Lemarco
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Sicredi
C-TEC REDENTORA
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
ZÉ AUTOMÓVEIS
Via Tec telecom
Lancheria e Barbearia Stein
Casa Nova de Redentora

Nova variante do coronavírus é identificada por pesquisadores no Rio Grande do Sul

Estudos realizados pela Universidade Feevale em parceria com o Laboratório Nacional de Computação Científica revelaram nova cepa do vírus, mas ainda não se sabe os danos que ela pode causar

09/01/2021 12h28
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Gaúcha ZH
Estudo identifica nova linhagem do coronavírus Sars-Cov-2 no Rio Grande do Sul, além de uma mutação gaúcha do vírus. — Foto: Reprodução/RBS TV
Estudo identifica nova linhagem do coronavírus Sars-Cov-2 no Rio Grande do Sul, além de uma mutação gaúcha do vírus. — Foto: Reprodução/RBS TV

Uma pesquisa feita por cientistas da Universidade Feevale, em Novo Hamburgo, em parceria com o Laboratório Nacional de Ciência da Computação (LNCC), descobriu uma nova variante do coronavírus em pacientes no Rio Grande do Sul. Análises preliminares realizadas a partir de amostras coletadas no Estado no início de dezembro indicam a presença, na proteína S, da variante E484K – mesma mutação do coronavírus identificada no Rio de Janeiro no final de 2020.

O estudo também descreve uma possível nova linhagem do vírus Sars-Cov-2 em circulação no Estado e avalia sua dispersão para outras regiões do Brasil. No caso da linhagem gaúcha, assim como ocorre no Rio de Janeiro, os pesquisadores investigam se pode haver perda na ligação de anticorpos específicos, dificultando o combate ao coronavírus.

— Existe uma mutação similar a essa que está preocupando também na África do Sul. Essa mesma mutação ocorre na linhagem do Rio de Janeiro. E essa mutação tem sido associada à possibilidade da geração de mutantes de escape: esses vírus escapam dos anticorpos formados contra outras linhagens. É o que está parecendo que pode ocorrer e o que está sendo monitorado — explica o professor Fernando Spilki, coordenador do Laboratório de Microbiologia Molecular da Feevale.

Os pesquisadores estão finalizando a análise do genoma completo de 92 amostras virais de circulação recente no Rio Grande do Sul. Com o objetivo de colaborar com a comunidade científica no enfrentamento à covid-19, os genomas sequenciados foram depositados em bases de dados internacionais e em breve a caracterização dessas amostras deve ser descrita em publicação científica de amplo acesso.

Os resultados da pesquisa no Rio Grande do Sul ainda não afirmam se essa nova linhagem da covid-19 é mais infecciosa ou mais agressiva. Também não há indícios de que ela seja resistente às vacinas que estão sendo aplicadas ou em desenvolvimento, mas Spilki relata que isso está sendo monitorado.

— A gente sempre tem que fazer estudos, e é o que estamos fazendo. Vendo se soros de pessoas que participaram de testes conseguem neutralizar esses vírus, se em pessoas que se recuperaram da covid-19 os anticorpos conseguem neutralizar esse vírus. Já existe, fora do Brasil, notícia de que essas variantes com a mutação E484K têm problemas com essa neutralização — detalha o professor.

Spilki, que coordena também a Rede Corona-ômica-BR, iniciativa da Rede Vírus, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), da qual fazem parte os dois laboratórios envolvidos na pesquisa, relata que há casos, em outros países, de indivíduos imunizados ou infectados por outras variantes que não conseguem neutralizar essa mutação adequadamente. Experimentos para determinar se isso também acontece com a linhagem gaúcha estão sendo realizados e devem ser divulgados nas próximas semanas.

Ainda não é possível saber se as medidas de distanciamento social deverão ser mais rígidas por conta dessa nova cepa. Porém, os cientistas alertam que é mais um indício de que o vírus está em circulação e em constante processo de mutação.

Apelo pela ciência e pesquisa

Os pesquisadores fazem, ainda, um apelo pelo trabalho coletivo em favor da ciência e da pesquisa no Brasil. A coordenadora do Laboratório de Bioinformática do LNCC, Ana Tereza Vasconcelos, ressalta que os cientistas estão adiantando essas informações da análise do genoma para alertar às autoridades sanitárias, já que os estudos e também eventuais dispersões da covid-19 são extremamente importantes para a segurança de todos.

— A crescente diversidade genética do Sars-Cov-2 encontrada neste estudo e em trabalhos recentes no Brasil reitera a importância da constituição de redes de sequenciamento e análises genéticas colaborativas para a realização de vigilância genômica — alerta Ana Tereza, lembrando da necessidade de investimento em pesquisa e formação de recursos humanos, de forma contínua, para o enfrentamento dessa pandemia e de futuros desafios de saúde pública no país.

O Rio Grande do Sul registrou nesta sexta-feira (8) mais 66 mortes pelo coronavírus. Agora, o total de vítimas da doença no Estado é de 9.359 desde o início da pandemia, em março de 2020. A Secretaria Estadual da Saúde (SES) confirmou ainda 4.964 novos infectados nas últimas 24 horas, chegando a um total de 474.917 casos notificados. No Brasil, a marca de vítimas da doença passou de 200 mil na quinta-feira (7).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.