RD Online
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Lancheria e Barbearia Stein
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
Via Tec telecom
Joalheria, Floricultura e Casa das Linhas Pereira
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Anúncio Rádio RD Online
Cervejaria da Praça
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
UNOPAR INFE
C-TEC REDENTORA
Auto Posto Gemelli
Casa Nova de Redentora
JP Celulares Redentora
ZÉ AUTOMÓVEIS
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
UNOPAR VESTIBULAR
Cotricampo
Banner Site
Lemarco
Estofaria e Vidraçaria Fanezzi
RD ANÚNCIO G
Mecânica e Auto Elétrica Pampa

Caso Rhuan Maycon: mãe e companheira que esquartejaram menino são condenadas; penas somam 129 anos de prisão

Rosana Auri da Silva Cândido, mãe do garoto, foi sentenciada a 65 anos de prisão. Já pena de Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa foi fixada em 64 anos.

26/11/2020 08h25
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: G1
Mulheres suspeitas de matar e esquartejar menino de 9 anos no DF — Foto: Divulgação PC/DF
Mulheres suspeitas de matar e esquartejar menino de 9 anos no DF — Foto: Divulgação PC/DF

O Tribunal do Júri de Samambaia, no Distrito Federal, condenou Rosana Auri da Silva Cândido e Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa pelo assassinato do menino Rhuan Maycon, de 9 anos, em 2019. O julgamento ocorreu nesta quarta-feira (25).

O corpo da criança foi encontrado na madrugada do dia 1º junho do ano passado, esquartejado, dentro de uma mala (veja mais abaixo). A dupla foi sentenciada pelos crimes de homicídio qualificado, lesão corporal gravíssima, tortura, ocultação e destruição de cadáver e fraude processual.

As penas foram fixadas em:

•Rosana Auri da Silva Cândido, mãe do menino: 65 anos de reclusão e 8 meses e 10 dias de detenção

•Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, companheira de Rosana: 64 anos de reclusão, além de 8 meses e 10 dias de detenção

O caso corre em processo de Justiça e a decisão é de primeiro grau. 

Julgamento

Segundo informações divulgadas pelo Ministério Público do DF (MPDFT), "durante o julgamento, Kácyla ficou em silêncio e assumiu a execução de todos os crimes, afirmando não haver nenhuma participação da companheira".

No entanto, os jurados acataram na íntegra a denúncia do MP. Para o júri, as acusadas premeditaram o assassinato.

De acordo com a acusação, a dupla planejou como executar e destruir o corpo da criança. Na noite do crime, diz o MP, Rosana e Kacyla esperaram Rhuan dormir para cumprir o plano. A denúncia afirma que a mãe desferiu o primeiro golpe no peito da criança, que acordou com o ataque.

Já Kacyla teria segurado o menino para que a companheira desferisse os outros golpes. Segundo o Ministério Público, por fim, a mãe decepou a cabeça do filho ainda com vida.

A denúncia diz ainda que, após o assassinato, a dupla esquartejou, perfurou os olhos e dissecou a pele do rosto do menino. De acordo com o MP, as acusadas também tentaram incinerar partes do corpo em uma churrasqueira com o intuito de destruir o cadáver e dificultar o seu reconhecimento.

Segundo a acusação, como o plano inicial não deu certo, elas colocaram partes do cadáver em uma mala e duas mochilas. Rosana jogou a mala em um bueiro próximo à residência onde ocorreu o crime. Em seguida, moradores da região desconfiaram da atitude da mulher e acionaram a polícia.

Prisão

A mãe, Rosana Cândido, e a companheira dela, Kacyla Pryscila, foram presas na casa onde moravam com a criança e ainda com a filha de Kacyla, uma menina de 8 anos.

Em depoimento à polícia, Rosana contou que "sentia ódio e nenhum amor pela criança". Segundo o Ministério Público do DF, a mãe de Rhuan arquitetou o crime por odiar a família do pai dele.

"Rosana nutria sentimento de ódio em relação à família paterna da vítima. Kacyla conhecia os motivos da companheira e aderiu a eles", diz a denúncia.

Tortura

As duas também foram acusadas por tortura. Segundo o MP, elas "castraram e emascularam a vítima clandestinamente" e "impediram que Rhuan tivesse acesso a qualquer tratamento ou acompanhamento médico".

"Com apenas 4 anos de idade, Rhuan passou a sofrer constantes agressões físicas e psicológicas e a ser constantemente castigado de forma intensa e desproporcional, ultrapassando a situação de mero maltrato", diz a denúncia.

Já as acusações de ocultação de cadáver e fraude processual dizem respeito às tentativas da dupla de se desfazerem do corpo de Rhuan e dificultarem as investigações.

As duas acusadas deixaram o Acre em 2014. Segundo a família, Rosana fugiu do estado com a criança, a companheira e a filha de Kacyla.

O pai de Rhuan tinha a guarda do menino, por decisão judicial. A família chegou a registrar um boletim de ocorrência após o sumiço do garoto.

  • Caso Rhuan Maycon: mãe e companheira que esquartejaram menino são condenadas; penas somam 129 anos de prisão
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.