RD Online

WhatsApp

55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413

Via Tec telecom
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
ZÉ AUTOMÓVEIS
Banner Site
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Gordelícias
Sicredi
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Casa Nova de Redentora
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
JP Celulares Redentora
Cervejaria da Praça
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
C-TEC REDENTORA
Lemarco
Rafa Instalações
Anúncio Rádio RD Online
UNOPAR VESTIBULAR
Cotricampo
UNOPAR INFE
Auto Posto Gemelli

Sem pastagem e com ração cara, produtor de leite irá abater 30% do rebanho no oeste catarinense

20/11/2020 11h12
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Canal Rural
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A forte seca que atinge grande parte do Sul do país já é sinônimo de perdas para os produtores. É o caso do produtor de leite Jaisson Tirone, de Chapecó (SC), que precisou abater parte de seu rebanho de vacas leiteiras pela falta de pastagem e por conta da ração ter preços elevados. Com isso, ele já contabiliza prejuízo de mais de R$ 800 mil.

Dos 125 animais, 15 já foram ser abatidos e, de acordo com Tirone, na próxima semana esse número deve aumentar para 45. “Por conta da chuva, não houve produção de silagem e a ração precisa ser encomendada de fora, mas o preço é muito alto, cerca de R$ 400 a saca.”

Ainda segundo ele, na região existem cerca de mil produtores e 980 já contabilizam prejuízos por causa seca. “Há 30 anos estou nesta profissão, é uma atividade de família, mas é a primeira vez que precisei tomar essas medidas. Agora, o que nos resta é tentar manter o que sobrou e seguir em frente”, lamenta.

Também no oeste de Santa Catarina, o produtor Jair Trizotto registra perdas. Segundo ele, 18 vacas foram abatidas em função da dificuldade de encontrar alimentos destinados aos animais. “Nos próximos dias, se a chuva não chegar, vamos abater ainda mais animais. Está difícil encontrar os insumos, principalmente farelo de soja e silagem”, afirma ele.

Trizotto, que também cultiva milho, já mensura danos ao fim da safra. “Os pés do grão não se desenvolveram. Nesta época do ano, o normal é ter cerca de 2 metros, mas não chegou nem mesmo em meio [metro]. Com isso, já estamos estimando uma perda de 80% em nossa produtividade.”

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.