RD Online
Banner Site
UNOPAR INFE
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
JP Celulares Redentora
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Gordelícias
Rafa Instalações
Auto Posto Gemelli
C-TEC REDENTORA
Cotricampo
UNOPAR VESTIBULAR
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Anúncio Rádio RD Online
Cervejaria da Praça
Sicredi
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Via Tec telecom
Casa Nova de Redentora
ZÉ AUTOMÓVEIS
Lemarco
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
ESTIAGEM NA REGIÃO

Município de Tenente Portela já registra 270 famílias sem água por conta da estiagem

Segundo decreto de emergência da prefeitura em 2020 foi reconhecido pela União

19/11/2020 17h09
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: Gaúcha ZH
Famílias que estão na zona rural estão recebendo água por caminhões-pipa. Foto: Divulgação / Prefeitura de Tenente Portela
Famílias que estão na zona rural estão recebendo água por caminhões-pipa. Foto: Divulgação / Prefeitura de Tenente Portela

Pela segunda vez em 2020, a prefeitura de Tenente Portela, no noroeste do Estado, precisou decretar situação de emergência por conta da estiagem. O município foi o primeiro a voltar a informar o problema ao governo gaúcho neste segundo semestre, e publicou o decreto em outubro. O reconhecimento da União ocorreu na semana passada. Até o momento, 270 famílias, localizadas na área rural, já estão precisando de auxílio da prefeitura para conseguir água para consumo.

O município também começou a ter, novamente, dificuldades para o fornecimento de água para os animais, e auxilia cerca de 30 famílias com esse problema. Nas lavouras, a prefeitura calcula que a safra de milho tenha uma perda de mais de 60%. A soja foi plantada, mas, sem a volta da chuva, deve igualmente registrar prejuízo.

O prefeito de Tenente Portela, Clairton Carboni, afirma que a estiagem esteve presente durante todo o ano de 2020.

— Passamos o ano todo perfurando poços artesianos, abrindo bebedouros e buscando alternativas para auxiliar a população. Entre maio e junho, a chuva veio e aliviou o problema, mas nunca parou a demanda por água no município — afirmou.

Outra preocupação envolve a área urbana que segue com o abastecimento por meio do transporte de água feito pela Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan). Conforme a prefeitura, a companhia entrega 60 mil litros de água por dia. Em reunião marcada para esta quinta-feira (19), o Executivo municipal solicitará uma segunda caixa de água e a viabilidade da construção de uma estação de tratamento, dada a dificuldade para localizar água nos poços artesianos.

A Defesa Civil Estadual divulgou nesta quarta-feira (18) que 48 municípios gaúchos decretaram situação de emergência por conta da falta de chuva. Do total, cinco tiveram o decreto homologado e quatro já foram reconhecidos pela União.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.