RD Online

WhatsApp

55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413

Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Mecânica e Auto Elétrica Pampa
Auto Posto Gemelli
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
Anúncio Rádio RD Online
C-TEC REDENTORA
UNOPAR INFE
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Lemarco
Casa Nova de Redentora
Rafa Instalações
Cotricampo
Sicredi
CENTER MÓVEIS REDENTORA
JP Celulares Redentora
Cervejaria da Praça
UNOPAR VESTIBULAR
Banner Site
Via Tec telecom
Gordelícias
ZÉ AUTOMÓVEIS

Frente Parlamentar pede a retomada da comissão que discute prisão após condenação em segunda instância

25/09/2020 10h06
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: O Sul
PEC em debate altera a Constituição para que a execução da pena seja imediata após a condenação em segunda instância. Foto: Reprodução
PEC em debate altera a Constituição para que a execução da pena seja imediata após a condenação em segunda instância. Foto: Reprodução

A Frente Parlamentar pela Ética Contra a Corrupção pediu ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a retomada dos trabalhos da comissão que discute a PEC (proposta de emenda à Constituição) sobre a prisão após condenação em segunda instância.

Assim como as demais comissões, o colegiado foi suspenso em março, em razão da pandemia do novo coronavírus. A retomada das atividades depende de aprovação, pelo plenário, de um projeto de resolução.

O requerimento apresentado na quinta-feira (24) prevê que as reuniões da comissão aconteçam de forma remota.

A PEC em debate na comissão altera a Constituição para que a execução da pena seja imediata após a condenação em segunda instância. Isso valeria para todos os campos do direito, incluindo o penal, tributário, trabalhista e eleitoral.

Atualmente, o artigo 5º da Constituição diz que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. O trânsito em julgado é a etapa em que não cabe mais nenhum recurso.

Em 2016, o STF (Supremo Tribunal Federal) voltou a entender que a pena poderia ser executada a partir da condenação em segunda instância. No ano passado, a Corte mudou o entendimento, decidindo que a execução da pena só acontece com o chamado trânsito em julgado.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias