RD Online
Banner Site
Gráfica Modelo
Rafa Instalações
Auto Posto Gemelli
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
Mecânica e Auto Elétrica do Betinho
Cervejaria da Praça
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
ZÉ AUTOMÓVEIS
Gordelícias
Ellas Engenharia
C-TEC REDENTORA
TÁXI REDENTORA
Casa Nova de Redentora
JP Celulares Redentora
Lemarco
Via Tec telecom
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
UNOPAR VESTIBULAR
UNOPAR INFE
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Cotricampo
Anúncio Rádio RD Online
Macali Brasil
RETOMADA DE VOOS

Estado busca no STF retomada de voos internacionais ao Rio Grande do Sul

Em seu argumento, a PGE alegou que o Rio Grande do Sul é um dos seis únicos Estados que ainda permanece com restrição para voos internacionais, mesmo tendo uma das menores taxas de óbitos em decorrência do coronavírus do país.

14/09/2020 11h04
Por: Depto de Jornalismo
Fonte: Ascom PGE/Secom
Foto: RD Foco/Arquivo
Foto: RD Foco/Arquivo

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) ajuizou, neste domingo (13/9), Ação Cível Originária (ACO), no Supremo Tribunal Federal, solicitando a liberação de voos internacionais que tenham como ponto de chegada, no Brasil, aeroportos no Rio Grande do Sul. A proibição, prevista na Portaria Interministerial nº 419 e motivada por aspectos sanitários relacionados ao coronavírus, atinge o Estado desde 30 de março.

Em seu argumento, a PGE alegou que o Rio Grande do Sul é um dos seis únicos Estados que ainda permanece com restrição para voos internacionais, mesmo tendo uma das menores taxas de óbitos em decorrência do coronavírus do país. No RS, são 30 óbitos para cada grupo de 100 mil habitantes, enquanto, no Brasil, a média é de 58 óbitos. No Rio de Janeiro, por exemplo, que tem suas operações internacionais em funcionamento desde 30 de junho, a taxa de mortalidade é de 93 óbitos para cada grupo de 100 mil habitantes.

A PGE evidenciou, também, que o tratamento desigual e desproporcional dado pela União ao Rio Grande do Sul no trato da autorização de chegada de voos internacionais viola o pacto federativo, o princípio da isonomia e a igualdade entre os cidadãos brasileiros. Nesse sentido, após quase seis meses sem receber voos internacionais, há risco concreto de que as companhias aéreas que operam com destino ou chegada o aeroporto internacional Salgado Filho transfiram suas operações para terminais localizados em outros Estados, gerando incalculáveis prejuízos à economia gaúcha, ao turismo regional e à cadeia de negócios e pesquisas que dependem do fluxo de pessoas e capitais estrangeiros.

Além disso, com a liberação de entrada de passageiros de voos internacionais, as empresas também poderão considerar o Rio Grande do Sul como alternativa para melhor distribuir suas rotas, reduzindo a concentração do fluxo de pessoas vindas de outros países em locais com índices de óbito e contágio superiores aos observados no Estado.

A ACO, com pedido de liminar para que a União deixe de vedar a operação de voos internacionais no Estado, foi distribuída na tarde deste domingo (13) e pende de apreciação.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias