RD Online
Casa Nova de Redentora
JBS S/A
Via Tec telecom
Anúncio Rádio RD Online
Auto Posto Gemelli
Banner Site
Gordelícias
UNOPAR VESTIBULAR
Macali Brasil
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
C-TEC REDENTORA
Lemarco
Cotricampo
Ellas Engenharia
Gráfica Modelo
CENTER MÓVEIS REDENTORA
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Locutor Márcio Schimidt
UNOPAR INFE
Cervejaria da Praça
JP Celulares Redentora
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Auto Posto Gemelli

Polícia prende suspeitos em operação contra pedofilia no RS

Estão sendo apreendidos materiais que comprovem o crime, como vídeos e áudios. Até as 10h, cinco pessoas haviam sido presas.

30/07/2020 11h03
Por: Depto de Jornalismo .
Fonte: G1 RS
Estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão em residências de suspeitos — Foto: Divulgação/Polícia Civil
Estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão em residências de suspeitos — Foto: Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil faz, na manhã desta quinta-feira (30), uma operação de combate à pedofilia no Rio Grande do Sul. Até as 10h, cinco pessoas já haviam sido presas em flagrante.

Estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão nas residências de suspeitos, nas cidades de Canoas, Porto Alegre, Esteio e São Leopoldo.

Dois mandados já foram cumpridos no decorrer da investigação em Montenegro, no dia 15 de julho, quando um empresário, de 41 anos, foi preso. Em depoimento, ele admitiu que acessava conteúdos pornográficos de crianças e adolescentes, segundo a polícia.

O delegado regional de Canoas, Mario Souza, explica que a operação ocorre contra o contexto criminoso da pedofilia.

"Vários crimes contra as crianças e adolescentes, pode ser desde o armazenamento, produção de materiais, como estupro. A gente procura agir imediatamente ao menor indício de pedofilia".

A ação é feita em conjunto com peritos para que busquem materiais que configurem o crime.

"Temos bastante material. A perícia é importante porque os policiais buscam encontrar em celulares, notebooks, tablets, materiais que comprovem o crime, como vídeos, áudios, filmagens. Isso já é crime e aí realizamos a prisão", destaca o delegado.

De acordo com Mario, a investigação durou seis meses. Durante o período foi possível identificar os alvos, que compartilham entre si, material pornográfico contendo cenas de sexo envolvendo crianças e adolescentes.

"Geralmente a pessoa que se envolve nisso mantém uma rede de contatos, e essa rede não tem fronteiras", destaca.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias