RD Online

WhatsApp

55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413

Lemarco
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Macali Brasil
UNOPAR INFE
Locutor Márcio Schimidt
JBS S/A
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
UNOPAR VESTIBULAR
Móveis Rústicos do Nego Claudio
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Cervejaria da Praça
Banner Site
JP Celulares Redentora
Nacional Gás Redentora
Gordelícias
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Ellas Engenharia
Via Tec telecom
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Casa Nova de Redentora
Anúncio Rádio RD Online
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Gráfica Modelo
METALÚRGICA PORTELA
Cotricampo
DE OUTRO MUNDO?

Especialistas apontam o que poderiam ser as luzes desconhecidas vistas por moradores do Litoral Norte

.

30/06/2020 19h38
Por: Depto de Jornalismo
Fonte: Gaúcha ZH
O caso registrado pelo morador de Santa Catarina. Foto - Rudinei Rosa/Arquivo pessoal
O caso registrado pelo morador de Santa Catarina. Foto - Rudinei Rosa/Arquivo pessoal

As esferas coloridas no céu que teriam sido avistadas por moradores do litoral norte gaúcho na noite de 23 de junho podem ter uma explicação científica, segundo especialistas consultados por GaúchaZH. No lugar de objetos voadores não identificados, as esferas coloridas seriam meteoróides, fragmentos de grandes rochas espaciais.

Segundo o físico e astrônomo Luiz Augusto da Silva, com experiência de 40 anos na área, o relato das testemunhas que afirmam ter visto as esferas por volta das 19h30min refere-se ao típico fenômeno de fragmentação de um bólido. A partícula de rocha, com alguns milímetros de diâmetro, penetra na atmosfera da Terra e produz este meteoro consideravelmente mais brilhante. É um fenômeno mais raro de ocorrer, explica Silva:

_ Não existe nenhuma conexão com objetos não identificados. Tenho 99% de convicção de que foi um bólido, e é um fenômeno relativamente comum.

Até as cores relatadas por quem afirma ter visto as esferas, destaca o físico e astrônomo, são caraterísticas desses meteoros e produzidas por átomos de sódio e de ferro, ionizados durante a passagem da partícula na atmosfera da Terra.

_ Não me resta a menor dúvida, trata-se do ingresso de um bólido na atmosfera terrestre. O horário é típico de aparição destes meteoros brilhantes. São mais comuns no início da noite e no final da madrugada e a trajetória é compatível. Pode ter passado mais de uma ou duas centenas de quilômetros mar adentro _ justifica Silva.

A altura do possível objeto em relação ao horizonte pode ter sido baixa e, por isso, acredita Silva, não foi captada pelas câmeras da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon, na sigla em inglês). Na data e horários indicados, o doutor em engenharia Carlos Jung, do Observatório Heller & Jung, associado à Bramon, afirma não ter qualquer registro de movimentação na área indicada. O observatório tem um software de registro de análise de meteoros que cobre com 19 câmeras em 360 graus todo o Rio Grande do Sul, além de Santa Catarina, Paraná, parte de São Paulo, Uruguai, parte da Argentina e Paraguai. O único registro de meteoro feito pela Bramon naquela noite, na região indicada, ocorreu duas horas depois, 21h32min. 

Na sexta-feira (27), a reportagem de GaúchaZH contatou a assessoria de imprensa do Ministério da Aeronáutica, que representa do Departamento de Controle Aéreo (Decea), para buscar informações se havia algum treinamento aéreo na região na data e horário indicados pelos moradores. Porém, até esta terça-feira (30), não houve retorno.

Quatro planetas chamam a atenção

Com relação ao vídeo feito por um morador de Balneário Pinhal, também em 23 de junho, cerca de uma hora antes do relatado pelos demais moradores, Silva argumenta que pode ter sido outro bólido. E sobre a descrição feita pelo morador de Santa Catarina, que fotografou luzes no céu, o físico e astrônomo também sugere que pode ter sido outro meteoro ou um planeta em conjunção com a lua. No horário indicado, por volta das 0h40min, apenas o planeta Marte estava mais visível no horizonte, segundo a estação da Bramon. 

_ Fica difícil de dar uma opinião mais precisa para esse caso. Mas quando existe uma ocorrência que é divulgado na mídia, gera o efeito cascata. As pessoas começam a prestar a atenção em coisas que não prestariam porque foram alertadas. E começam a surgir os casos secundários. A natureza é cheia de armadilhas que levarão as pessoas a imaginarem coisas estranhas quando não são tão estranhas assim _ argumenta.

Neste momento, conforme o astrônomo, há quatro planetas chamando a atenção: Vênus, que parece um farol em direção Nordeste, por volta das 6h, Marte, que é vermelho e ganhará ainda mais brilho nas próximas semanas com ápice em outubro, surgindo perto da meia-noite e por volta das 3h da madrugada fica na direção Leste, a 45 graus de altura, e Júpiter e Saturno, quase lado a lado a Leste, surgindo brilhantes no início da noite.

Física impediria encontro de civilizações

O físico Cesar Eduardo Schmitt, criador do projeto Astronomia para Crianças, tem a mesma opinião do físico e astrônomo Luiz Augusto da Silva e acrescenta que haveria uma impossibilidade física de um objeto voador não identificado aparecer na Terra porque as distâncias são muito longas no espaço. Para Schmitt, desde que a humanidade teve a capacidade de pensar, há a necessidade de acreditar que não estamos sozinhos no Universo.

Schmitt ressalta que a possibilidade de existir vida em outros planetas no Universo é muito grande, mas a probabilidade de uma civilização encontrar a outra cai a zero em razão das distâncias.

_ No nosso sistema solar não temos nenhuma civilização inteligente e nem próxima de nós na nossa galáxia. Para que uma civilização chegasse na Terra teria que viajar por centenas ou milhares de anos na velocidade da luz, que já é uma impossibilidade física, porque teria que se movimentar a cada segundo 300 mil quilômetros para chegar aqui. Digamos que uma civilização exista a uma distância de 2 mil anos luz da Terra, algo que seria do outro lado da rua em termos de Universo, e saia hoje na velocidade da luz para nos visitar. Ela chegariam aqui daqui a 2 mil anos e, provavelmente, quando chegassem não teria mais civilização. Do jeito que estamos tratando a Terra, nos destruiremos antes _ explica.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias