RD Online
JP Celulares Redentora
UNOPAR VESTIBULAR
METALÚRGICA PORTELA
Banner Site
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
JBS S/A
Gordelícias
Cervejaria da Praça
Via Tec telecom
Anúncio Rádio RD Online
Macali Brasil
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Nacional Gás Redentora
UNOPAR INFE
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Casa Nova de Redentora
Locutor Márcio Schimidt
Móveis Rústicos do Nego Claudio
Lemarco
Ellas Engenharia
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Cotricampo
Gráfica Modelo
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
ELEIÇÕES

TSE debate mudanças em resolução sobre suspensão de partidos

Resolução trata de partidos que não entregaram prestação de contas

29/06/2020 19h19
Por: Depto de Jornalismo
Fonte: Agência Brasil
Foto: Roberto Jayme/ASCOM/TSE
Foto: Roberto Jayme/ASCOM/TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizou hoje (29) uma audiência pública para colher sugestões com objetivo de alterar a resolução da Corte que trata da suspensão do registro de partidos que não entregarem a prestação de contas exigida pela Justiça Eleitoral.

As mudanças nas regras serão feitas após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, no ano passado, entendeu que a suspensão somente pode ocorrer após o julgamento de um processo específico para analisar cada caso. 

Durante a audiência, o TSE recebeu contribuições de advogados eleitorais, como a aplicação de punição aos agentes responsáveis pelas contas dos partidos, além da punição da legenda, e a adoção de artigos de deixem claro que os partidos que estiverem com registro suspenso não poderão lançar candidatos nas eleições. 

Segundo o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, as alterações vão aperfeiçoar o texto da resolução, que cuida do cancelamento do registro civil e do estatuto de partido político que tenha descumprindo a legislação eleitoral.

“Nós estamos disciplinando o procedimento em decorrência de uma decisão do Supremo Tribunal Federal, uma questão muito importante em que todos nós estamos pretendendo conciliar a autonomia partidária, que é um importante valor constitucional, a representatividade dos partidos na sua percepção pela sociedade civil, e os deveres de probidade para quem recebe e gere dinheiro público”, explicou o ministro. 

A decisão do STF foi motivada por ações de inconstitucionalidade protocoladas pelo PSB e pelo Cidadania, antigo PPS, contra resoluções que definiram que diretórios estaduais e municipais podem ter o registro suspenso ao deixarem de entregar a prestação de contas ou não justificar o motivo pelo qual as informações não foram enviadas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias