RD Online
Via Tec telecom
Móveis Rústicos do Nego Claudio
METALÚRGICA PORTELA
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Raynet Telecomunicações
Nacional Gás Redentora
Anúncio Rádio RD Online
Macali Brasil
UNOPAR INFE
Gugui Confecções
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
Gráfica Modelo
UNOPAR VESTIBULAR
Banner Site
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
Cervejaria da Praça
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
JP Celulares Redentora
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA

Prefeitura estuda propor proibição do consumo de bebidas alcoólicas nas vias de Porto Alegre

Medida ocorre, principalmente, para estancar distúrbios no bairro Cidade Baixa

12/02/2020 08h46
Por: Josoel Silvestre
Fonte: Correio do Povo e Rádio Guaíba
Prefeitura estuda propor restrição no consumo de bebida alcoólica em Porto Alegre | Foto: Joel Vargas / PMPA
Prefeitura estuda propor restrição no consumo de bebida alcoólica em Porto Alegre | Foto: Joel Vargas / PMPA

A Prefeitura de Porto Alegre estuda apresentar em breve um projeto proibindo o consumo de bebidas alcoólicas nas vias públicas da cidade. A medida foi defendida e explicada pelo secretário municipal da Segurança, Rafael Oliveira, em entrevista à Rádio Guaíba na tarde desta terça-feira. 

A ser debatido e encaminhado à Câmara, o projeto valeria a toda a Capital, mas seu foco principal visa conter transtornos na Cidade Baixa. “Os moradores não aguentam mais. As pessoas fazendo baderna devido ao alto estado alcoólico”, afirmou o secretário. “Estamos utilizando o foco da Cidade Baixa, que é a hemorragia para ser estancada com urgência.”

De acordo com ele, seria inviável apresentar um projeto de lei restringindo o consumo de bebida em apenas um determinado bairro, por isso o alcance seria em todo o território porto-alegrense. 

O secretário argumentou que a eventual lei não chega a ser uma novidade. Ele citou que alguns dos estados dos Estados Unidos, o Chile e a cidade de Passo Fundo vedam o consumo de bebida alcoólica em suas ruas e avenidas. De acordo com Oliveira, autoridades de segurança já manifestaram apoio à iniciativa, que ainda deverá passar por discussões internas na Prefeitura antes de ser encaminhado ao Legislativo.

Ao defender a proposta, Oliveira enfatizou que o texto iria ajudar a desafogar o policiamento ostensivo, que passaria a focar nos médios e grandes delitos: “Náo dá para ser babá de bebum”, afirmou. Em caso de descumprimento, o secretário adiantou que irá sugerir multa de R$ 500, dobrando de valor em caso de reincidência.