RD Online
JP Celulares Redentora
Raynet Telecomunicações
Nacional Gás Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
METALÚRGICA PORTELA
Banner Site
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
Macali Brasil
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
Cervejaria da Praça
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
Anúncio Rádio RD Online
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Gráfica Modelo
UNOPAR INFE
Via Tec telecom
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
Gugui Confecções
UNOPAR VESTIBULAR
Móveis Rústicos do Nego Claudio

Secretaria de Saúde de Santa Catarina confirma primeiro caso de febre amarela em macaco em 2020

31/01/2020 09h19
Por: Josoel Silvestre
Fonte: G1 SC
Macacos infectados por febre amarela indicam a circulação do vírus da doença (Foto: Reprodução/TV Gazeta)
Macacos infectados por febre amarela indicam a circulação do vírus da doença (Foto: Reprodução/TV Gazeta)

A Secretaria da Saúde de Santa Catarina confirmou nesta quinta-feira, dia 30, o primeiro caso de febre amarela em um macaco neste ano no estado. O primata foi encontrado no dia 14 de janeiro em Pomerode, no Vale do Itajaí. Em humanos, há um caso de paciente com a doença, um homem de 47 anos, morador de São Bento do Sul, no Norte catarinense. Ele está internado no Hospital Nereu Ramos, em Florianópolis.

Atualmente, 56 mortes de macacos estão em investigação no estado para saber se foram provocadas por febre amarela, conforme boletim epidemiológico divulgado nesta quinta. O número registrado neste ano já é quase metade do notificado durante 2019 (353). As notificações são principalmente no Norte e Vale do Itajaí.

A febre amarela é considerada uma doença grave, sendo transmitida por mosquitos em áreas silvestres e próximas de matas, e a infecção de macacos indica a presença do vírus na região. A melhor forma de se proteger da doença é por meio da vacina, que deve ser tomada por pessoas a partir de nove meses de idade.

No estado, a cobertura vacinal está em 84%, segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC), mas a cobertura é diferente entre os municípios. O recomendado pelo Ministério da Saúde é imunizar ao menos 95% do público-alvo.

Mortes em 2019

No ano passado, o estado registrou duas mortes em humanos provocadas pela doença. Em macacos foram oito, sendo a última delas confirmada nesta quinta.