RD Online
Gráfica Modelo
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
Via Tec telecom
Banner Site
Cotricampo
Rafa Instalações
TÁXI REDENTORA
JP Celulares Redentora
Ellas Engenharia
Macali Brasil
Auto Posto Gemelli
Anúncio Rádio RD Online
Cervejaria da Praça
Casa Nova de Redentora
UNOPAR INFE
Ceducar Centro Educacional Carla Renati Andriguetto
C-TEC REDENTORA
Vital Seg Serviços de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional
Lemarco
ZÉ AUTOMÓVEIS
UNOPAR VESTIBULAR
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Gordelícias

Preço da gasolina é o maior em sete meses no RS

Setor de combustíveis segue de olho na crise entre Estados Unidos e Irã, que ainda não teve impacto nos postos gaúchos

09/01/2020 10h52
Por:
Fonte: Gaúcha ZH
RS tem quinto maior preço da gasolina no país - Robinson Estrásulas / Agencia RBS
RS tem quinto maior preço da gasolina no país - Robinson Estrásulas / Agencia RBS

O preço da gasolina teve pequena variação positiva no Rio Grande do Sul entre o final de 2019 e o início de 2020. Mesmo com a relativa estabilidade, o valor médio do litro alcançou o maior nível em 31 semanas. Ou seja, é o mais elevado em sete meses no Estado, indicam dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) analisados por GaúchaZH.

De 29 de dezembro a 4 de janeiro, o valor chegou a R$ 4,766. Na semana anterior, estava em R$ 4,760. O preço é o mais caro da Região Sul e o quinto mais salgado do país. Nos próximos dias, o mercado deve seguir atento a eventuais desdobramentos da crise entre os Estados Unidos e o Irã. Até o momento, a tensão internacional não teve impacto nos postos do Rio Grande do Sul, apontam analistas.

Na reta final da semana passada, logo após o ataque americano que matou o general iraniano Qassem Soleimani, a cotação do petróleo passou a subir no mercado internacional. Como a Petrobras leva em conta a variação da commodity para definir o valor dos combustíveis no Brasil, cresceu o temor de disparada aos consumidores. Nesta quarta-feira (8), pronunciamento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acalmou os ânimos no mercado, sinalizando trégua na disputa com o Irã.

Sócio-fundador da consultoria MaxiQuim, João Luiz Zuñeda afirma que, no final de 2019, a gasolina sofreu "pressão" de uma série de fatores no Estado. Entre eles, o avanço dos preços do petróleo e do etanol, que é misturado ao combustível. Zuñeda acrescenta que, no início do verão, a demanda pelo produto costuma subir, já que parte da população viaja a regiões como o Litoral. Em razão da maior procura, o valor nas bombas tende a aumentar, completa o analista.

– Se o preço da gasolina estivesse em nível mais baixo, a tensão entre Estados Unidos e Irã provocaria alta em seguida. Não é o que está acontecendo. A própria Petrobras ainda não reajustou o valor nas refinarias. Isso indica que o preço já estava em patamar elevado antes do confronto entre os dois países – avalia Zuñeda.

Acima de R$ 5 no Interior

Na semana passada, a gasolina mais cara do Estado foi encontrada pela ANP em Bagé. No município da Campanha, o combustível rompeu a barreira simbólica dos R$ 5, custando, em média, R$ 5,366. No sentido contrário, Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, teve a marca mais baixa, de R$ 4,609. Em Porto Alegre, o preço atingiu R$ 4,770, o que representa leve redução frente aos sete dias anteriores (4,781).

– O cenário é de incerteza. Em 2019, houve aumento nas refinarias e no preço do etanol, que é misturado à gasolina. A crise internacional traz insegurança no início deste ano. Mesmo assim, não imagino alta violenta nos preços dos combustíveis – afirma João Carlos Dal’Aqua, presidente do Sulpetro, que representa os postos gaúchos.

Na visão do dirigente, a intenção da Petrobras de privatizar refinarias tende a aumentar a competição dentro do segmento. Com disputa maior, o consumidor pode ser beneficiado, argumenta Dal’Aqua. Uma das unidades na mira da proposta é a Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas, na Região Metropolitana. Entidades que representam petroleiros criticam o projeto.

– Há incertezas devido ao conflito entre Estados Unidos e Irã. O discurso de Trump deu amenizada na situação. É parte de um morde-assopra. Daqui a pouco, ele pode tuitar algo mais forte. Apesar disso, espera-se que o conflito não vá muito além da retórica – comenta professor Maurício Canêdo, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Entre os Estados, o Rio de Janeiro registrou, na semana passada, a gasolina mais cara do país, conforme a ANP – o litro do combustível custou R$ 4,972 em média. O Amapá está na outra ponta da lista. No Estado da Região Norte, o valor ficou em R$ 4,026.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias