RD Online
Via Tec telecom
PADARIA E CONFEITARIA DOCE SABOR
JP Celulares Redentora
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA
CS CLIMATIZAÇÃO EM TENENTE PORTELA
TELE ENTREGA DE GÁS E BEBIDAS DO JAIRO
Cervejaria da Praça
Gráfica Modelo
C-TEC ELETRÔNICOS E INFORMÁTICA 2
Móveis Rústicos do Nego Claudio
Nacional Gás Redentora
UNOPAR INFE
UNOPAR VESTIBULAR
Gugui Confecções
Banner Site
Macali Brasil
Anúncio Rádio RD Online
METALÚRGICA PORTELA
CENTER MÓVEIS REDENTORA
Raynet Telecomunicações
JL MÓVEIS E ESQUADRIAS REDENTORA
CONSULTA POPULAR

Consulta Popular define 42 projetos de desenvolvimento regional no RS

A votação foi realizada durante três dias na semana passada, e encerrada na sexta-feira (6/9).

10/09/2019 08h41
Por: Gilmar Machado
Fonte: Lucas Barroso/Ascom SGGE
246
No processo de votação on-line, eleitor levava pouco mais de um minuto para concluí-lo - Foto: Reprodução
No processo de votação on-line, eleitor levava pouco mais de um minuto para concluí-lo - Foto: Reprodução

Encerrado o processo de votação da Consulta Popular 2019, levantamento realizado pela Secretaria de Governança e Gestão Estratégica (SGGE) aponta que a área que recebeu mais votos foi a agricultura, com 170 mil. O número expressivo representa 25 projetos eleitos em 23 regiões dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), com a destinação de R$ 12,847 milhões em verbas.

A votação foi realizada durante três dias na semana passada, e encerrada na sexta-feira (6/9). Nesta edição, o valor disponibilizado foi de R$ 20 milhões, divididos nas 28 regiões dos Coredes, resultando em 42 projetos eleitos pela população.

Conforme a SGGE, órgão responsável pela organização da Consulta Popular, foram computados 253.832 votos. A votação foi online, pelo site www.consultapopular.rs.gov.br, e presencial, em pontos definidos pelos Coredes.

Além da agricultura, as outras áreas que tiveram maior interesse dos gaúchos foram desenvolvimento, turismo, ciência e tecnologia, com 46,7 mil votos e projetos resultando em R$ 3,96 milhões, e logística e transporte, 9,7 mil votos e R$ 1,314 milhão.

Antes da eleição, a SGGE realizou 56 assembleias regionais nas 28 regiões dos Coredes para definir os projetos a serem votados pela população. Ao todo, 97 foram disponibilizados nas cédulas de votação.

A verba destinada na Consulta Popular será inserida no orçamento do Estado. Os projetos eleitos serão executados pelas secretarias e monitorados pela SGGE. Conforme a execução é efetivada, os valores são liberados pelo governo.

Fortalecer o planejamento

A Consulta Popular, que é realizada há mais de 20 anos no Rio Grande do Sul, teve uma alteração em seu conceito. Para fortalecer o Desenvolvimento Regional, não foram elencados projetos de segurança, saúde e educação, áreas que recebem atualmente as maiores verbas do orçamento do Estado.

Conforme o secretário da SGGE, Claudio Gastal, essa postura do atual governo tem o objetivo de fortalecer o planejamento das 28 regiões do Coredes. "Foi algo que pensamos junto dos Coredes. É uma medida que valoriza o planejamento regional, elencando para a população decidir os projetos estruturados nos Planos Estratégicos de Desenvolvimento (PEDs) dos próprios Coredes. Assim, mantemos as características de cada região, valorizando sempre o desenvolvimento e não demandas pontuais de áreas específicas que já constam no Orçamento", disse.

Média de investimentos

Neste ano, o governo definiu o valor de R$ 20 milhões para a Consulta Popular com base na média de investimento que as áreas de Desenvolvimento Regional receberam nos últimos anos e, também, respeitando a atual situação financeira do Estado. Em 2018, a verba total para a Consulta chegou a R$ 80 milhões, porém, os valores destinados ao Desenvolvimento Regional foram R$ 26 milhões.

Em relação a votação no ano passado, o número de votos foi 751 mil. Desses, 274 mil foram para projetos de Desenvolvimento Regional.

Clique e veja os projetos selecionados na Consulta Popular 2019.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.